terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

DIFERENÇAS ENTRE OS MINKISI (plural de Nkisi) DAS CULTURAS E TRADIÇÕES BANTU E OS ORIXÁS (Orisá) DA CULTURA E TRADIÇÃO NAGÔ YORUBÁ.

Irmãos(a) irei tentar mostrar as diferenças que existem entre Nkisi e Orisá, além das diferenças comuns, normais como tradições, culturas, costumes, cultos e fundamentos religiosos, línguas e também as diferenças geográficas que existem entre as regiões (países) dos povos Bantu e Nagô/Yorubá no grande continente Africano.

Além dessas citadas acima, existem também as diferenças diretas entre as Divindades Nkisi e Orisá que falarei à seguir:
Primeiro falarei sobre os Minkisi (Divindades) da cultura e tradição religiosa dos povos bantu, pois será a base do tema.

Os povos bantu de uma maneira geral, cultuam suas Divindades de uma forma mais simples e natural, que se difere de outros povos, pois as Divindades adoradas, louvadas e cultuadas pelos bantu são os próprios elementos da natureza, ou seja, a própria Divina Natureza.

As Divindades em seu estado natural, na própria natureza (estado bruto) são chamadas de Hamba (plural Mahamba) até serem, através de rezas (Diambu) e fundamentos (Kitungu) trazidas para o nosso meio, para serem iniciadas na cabeça (mutuê) do filho (mona) e no assentamento (kunda), onde a mesma será cultuada e seu filho nascerá novamente para ela, fazendo-se uma concentração e ligação direta de energias entre o filho e o assentamento de sua Divindade.

No processo de iniciação, essa Hamba passará a ser conhecida e cultuada como Nkisi, pois não está mais em seu estado bruto, natural... já está ligada ao seu filho iniciado para ela (muzenza) e no assentamento onde estará ligada através de todo o processo de fundamento (Kitungu) e obrigação (Mbebe) que foi destinado e elaborado naquele recipiente (assentamento = Kunda), também na cabeça (mutuê) e no corpo (mukutu) do filho. .

As Divindades Bantu não tiveram passagem pela Terra e nem tão pouco forma humana, são a própria natureza com seus elementos como a chuva, o barro, a terra, as folhas, as pedras, a pedra de ferro, a pedra de raio, as raízes das plantas, as plantas, o vento, o fogo, o raio, o ar, as fontes naturais de água, as nascentes de água, as mudanças naturais de temperatura e de clima, a água, o mar, a larva vulcânica, e etc....

As línguas faladas pelos povos bantu são muitas, mas no Brasil as que mais tiveram destaque nas Jinzo (casas) religiosas de tradição Kongo Angola e Angola são o Kikongo, originária dos povos Bakongo da região do Kongo (Congo) e o Kimbundu, originária dos povos da região de Angola, principalmente acima do Rio Kuanza (Cuanza), ao redor de Luanda.

Falarei também das outras línguas e seus respectivos domínios territoriais, como por exemplo: Ajaua (Moçambique, Malauí e Zimbábue), Bemba (Zâmbia), Kuanhama (Sudoeste Africano-Angola, Namíbia), Ganguela (Fronteira leste de Angola, oeste de Zâmbia), Iaka (Zaire-Kuango, Casai), Língala (Congo, antigo Zaire e outras áreas da África central), Makua (Moçambique, entre o Rovuma e a Lurio), Nhungue (Moçambique), Nianja (Moçambique, Malauí, Zimbábue), Kioko e Luvate (Chokwe, Leste de Angola), Suaíle (Tanzânia, Zanzibar, Moçambique), Sutho (África do Sul), Tonga (Moçambique, Zimbábue), Umbundu (abaixo do rio Kuanza, principalmente na região de Benguela), Shona (Moçambique, Zimbábue e Botsuana), Zulu (África do Sul, Botsuana) e outras.....

As nações Congo Angola e Angola no Brasil, em termos religiosos, ficaram por muito tempo com a influência do culto Nagô/Yorubá, falo principalmente das casas que não são matrizes ou que não derivam das mesmas....chamamos essas casas que não se ramificam das casas matrizes tradicionais, de "candomblé de beco" sem tradição e sem casa matriz para seguir, praticando em sua grande maioria, um culto alicerçado em muitas misturas, falando línguas diferentes e cultuando Divindades de povos difentes, uma tremenda "misturéba", gerando dessa forma, um culto superficial, sem identidade, trazendo dúvidas e questionamentos para seus filhos e adeptos.
O berço da religião dos povos Bantu no Brasil é a cidade de Salvador-BA, pois foi lá que nasceram, foram fundadas as primeiras três jinzo-(casas) matrizes, de tradição Bantu, porém de raízes diferentes!
Falarei apenas da raiz da qual faço parte, ou seja, a Mansu Bandukenke-Bate Folha, localizada no bairro da mata escura em Salvador, fundada em 1916, pelo sr. Manoel Bernardino Da Paixão, Tata Ampumandezu.
Em 04/12/1929,Tata Ampumandezu inicia seu RIANGA (primeiro filho), Sr. João Correia de Mello (Lesenge), que futuramente, fundaria na cidade do Rio de Janeiro, uma das casas de maior tradição e respeito do Brasil, a inzo Kupapa Unsaba...
Em janeiro de 1938, já como Tata, Lesenge migra para o Rio de Janeiro e lá no ano de 1941, funda a grande inzo Kupapa Unsaba.... após seu falecimento no ano de 1970, a grande Ndenji (raiz) Kupapa Unsaba, recebe como matriarca no ano de 1972, Mam'etu Mabeji, que graças a Nzambi, continua firme no comando da grande Ndanji (raiz)!


A Mbutu (nação) Congo Angola ou Angola de origem Bantu, têm suas próprias tradições, costumes e culturas..... Entre elas, comidas (makuria), instrumentos de culto, língua (dimi), roupagens e vestimentas próprias, tanto para os filhos como para as Divindades.

Por isso, meus irmãos e irmãs digo que são culturas e tradições muito diferentes e não há possibilidade alguma do culto das duas nações em uma única inzo (casa).

A nação Nagô Yorubá - Ketu, cultua seus Orisá de uma forma mais “humanizada”, pois seus Deuses em algum momento de suas existências, tiveram passagem na Terra em forma humana, muitas vezes vistos ou imaginados como heróis, com suas lendas e histórias ....

Sua língua é o Yorubá e a maioria dos negros Nagô que chegaram ao Brasil, vinham principalmente de Benin, hoje Nigéria.
Seus Orixás (Orisá) se vestem com roupas e paramentos de muita beleza e exuberância, com seus adês, filás, coroas, espelhos, armas e indumentárias de extrema beleza, bem diferente dos Minkisi Bantu, pois suas vestimentas são confeccionadas com panos mais simples e menos chamativos, com indumentárias naturais, como favas, cabaças, ervas, chifres de animais e etc....

As armas são feitas de madeira, pois o culto aos Minkisi antecedem a descoberta do ferro e as chapas de latões e alúminios.....dispensando o uso de materiais que não sejam de origem natural (NESSA QUESTÂO, AFIRMO QUE, NÂO SÂO TODAS AS JINZO DE TRADIÇÃO, QUE FAZEM USO DESSES ELEMENTOS NATURAIS).

DEIXO CLARO QUE, ALGUMAS SITUAÇÕES ESCRITAS POR MIM NESSE TEXTO, SÂO PRATICADAS APENAS EM ÁFRICA BANTU E NÂO SE TORNARAM TRADIÇÃO EM NOSSO PAÍS).

Kukula mu kiri kia Nzambi!
(Crescer na verdade de Deus!)....

Tuasakidila Nzambi!
(Deus seja louvado!)....

Tata Kiretauã

6 comentários:

Pai José disse...

Uma das explicações mais completa e simples que já li.
Meus parabéns irmão!
Nganga Nzambi vanga kiambote!
Tata ria Nkisi Nkuikidí uá Nzazi.

Tata Kiretauã disse...

Ntondele Tata!

Muito obrigado por suas palavras...
Fique a vontade em nosso blog!

Um grande abraço

alex fortunato disse...

Amucuiu Tata...
gostaria de saber um pouco sobre angola kasange. o senhor conhece alguma coisa, porque pesquizo na internet e pouco encontro?

Tata Kiretauã disse...

Alex, por gentileza me add no msn, lá poderemos conversar e quem sabe eu possa colaborar contigo!
tatetokiretauangola@hotmail.com

Abraços

aciole santos disse...

Muito legal sua explicação porém o senhor ofende outras casas. Não que eu tenha nada haver,tão pouco me atinge pois tbm sou de uma casa de raiz. conheço o Bate folha como a palma da minha mão.Adoro mãe olga ,Munguaxi e etc. só para uma pessoa que não foi iniciado na casa o senhor fala diminuindo as outras casas e essa pratico no Mansu Bandukenke não existe nem mesmo pelos que forão iniciados lá.
Outra no terreiro do Bate Folha,não se usa a linguagem correta,pelo menos fora do Mbakisi. eles chamão OGUM.Oxossi, e etc. então para que esta feito.
Se vc não sabe , no bate folha até os dias de hoje se cultua um azoane ,Vodun das terras geges.
E até uns atrás tocava-se ketu antes dos sambas de nvunji q acontece no dia seguinte da festa do Nkisi. Vc deveria ser mais presente no Bate Folha salvador, para ñ ficar ai postando coisas q não sabe.
Tudo começou em salvador,certo?
pq onde tudo se iniciou usa tudo q na filial não usa? Raiz deve ser seguida ao pé da letra. Adjá. espada,abebé, etc no bate folha salvador esta certo por usar de metal. vcs agora querem inventar moda , inventar palavras q nunca foi usada na casa matriz isso sim q é mistureba.

Abraços

Tata Kiretauã disse...

Aciole Santos.

Com certeza não ofendi ninguém ou qualquer outra raiz. A matéria fala sobre as DIFERENÇAS entre Divindades de origem Bantu e as de origem Nagô. Apesar de não ter nascido dentro do Mansu Bandukenke,pertenço a família Bate Folha, pois sou Neto de Mam'etu Mabeji, filha de Tata Lesenge, o primeiro filho (Rianga) de Tata Ampumandezu. Quanto a forma de culto e línguas usadas, se vc ler no final do texto, verá que falo que algumas situações escritas no texto, são praticadas apenas em África Bantu, apesar que em nossa casa, estamos nos esforçando mto para não usarmos palavras em yorubá e graças a Nzambi, estamos tendo sucesso. Escrevo a matéria, falando de uma forma geral (ÁFRICA/BRASIL), tentando mostrar que são povos diferente, com culturas e costumes diferentes. A intenção do texto é apenas mostrar as diferenças entre os dois povos e as suas Divindades línguas e cultos. Não quero de forma alguma ofender ninguém. Abraço